2030: O ano mais esperado do século

O ano 2030 será impressionante. Vários eventos importantes estão previstos, como a suspensão da fabricação de carros a combustão na Alemanha, o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis da ONU (ODS), supercomputadores com software de Inteligência Artificial pensando como humanos, consolidação da quarta geração da indústria, novos modelos de negócios apoiados em novas tecnologias (IoT, Big Data, IA, etc.), e a grande expectativa da primeira missão tripulada à Marte. Outra expectativa, não muito interessante, é o aumento da temperatura da Terra e os eventos extremos climáticos e conflitos por água potável decorrentes deste fenômeno. Essas previsões para 2030 são convergentes e fortemente relacionadas.

Os investimentos em carros elétricos e autônomos impulsiona a criação de novas tecnologias de baterias e sistemas de Inteligência Artificial. Novas baterias, alimentadas por energia solar apoiadas por eficiência critérios de conservação de energia, poderão abastecer residências no período noturno, além de poderem ser recarregados por energia excedente de painéis solares ou de fontes de energia renováveis, como eólica. A geração distribuída e os carros elétricos trarão um grande impacto na distribuição de energia.

Os 17 objetivos de desenvolvimento sustentáveis da UNO, mesmo se implantados parcialmente, trarão um grande impacto social e ambiental no planeta. Os objetivos abrangem desde a eliminação da pobreza e fome até a preservação dos oceanos. O Brasil, signatário do acordo, deve implementar uma série de leis que obrigarão pessoas e empresas a tomarem ações radicais de proteção do meio ambiente e redução da desigualdade social.

O uso intensivo de sistemas de Inteligência Artificial transformará os negócios de modo disruptivo. Empregos, hoje considerados qualificados, serão destruídos. Empresas que não tiverem a capacidade de transformação digital serão varridas do mapa. Veremos muitos engenheiros, desenvolvedores de software, advogados, administradores de empresa, professores e outras profissionais desenvolvendo novas habilidades para trabalhem em atividades ainda não descobertas. Talvez, reduza a diferença de remuneração entre trabalhadores com curso médio e superior.

A consolidação da quarta revolução indústria e o círculo fechado de insumos, com altos índices de reciclagem de materiais, diminuirá drasticamente a extração e uso de commodities minerais, reduzirá o preço dos produtos manufaturados e eliminará milhões de empregos nas indústrias.

Os dispositivos de IoT associados com tecnologias de Big Data e Inteligência Artificial criarão novos paradigmas de monitoração e operação remota de processos e criarão inúmeros novos serviços eficientes e de baixo custo, aumentando drasticamente a produtividade das pessoas e compensando a redução da remuneração nominal dos trabalhadores.

A previsão de uma missão tripulada à Marte em 2030 já está trazendo benefícios para a indústria e pesados investimentos em novas tecnologias e estudos do comportamento humano. Empresas aqui no Brasil já estão desenvolvendo novos compostos para serem utilizados pelas impressoras 3D na fabricação de peças sobressalentes de equipamentos e ferramentas em Marte. Já tivemos essa experiência quando do esforço dos Estados Unidos de enviar uma missão tripulado à Lua na década de 60 do século passado. Agora, imagine o esforço do projeto de Marte combinado com os fortes investimentos que estão sendo realizados pela indústria de armamento apoiados pelo governo dos Estados Unidos (as ações das empresas de armas aumentaram consideravelmente na bolsa de valores), teremos novos materiais, produtos e serviços derivados destas pesquisas.

Enfim, 2030 será um ano impressionante. Espero continuar colaborando com algumas dessas iniciativas e estar firme e forte em 2030 para vivenciar essas novas experiências.

Foto de perfil de Eduardo Fagundes
Siga-nos

Eduardo Fagundes

Eduardo Fagundes é um empreendedor polivalente. Desenvolve projetos de P&D nas áreas de Big Data, Analytics, IoT e Inteligência Artificial para o setor de energia na Universidade Mackenzie (SP). Professor de Engenharia de Software no pós-graduação em Governança de TI da Universidade Mackenzie (SP), e de Estratégias de Negócios Sustentáveis no MBA da FIAP (SP). Desenvolveu e é tutor do curso online sobre Cidades Sustentáveis baseado na ISO 37.120, e coordena o fórum virtual sobre Cidades Inteligentes. Desenvolve projetos de eficiência energética e energia sustentável. Produz cursos online, aplica workshops de ideação, mentoring sobre tecnologias sustentáveis e projetos de inovação sustentável baseados no GRI (Global Reporting Initiative). Desenvolveu projetos na Alemanha, Argentina, Estados Unidos, Índia, Inglaterra e Itália. Fundou três startups.
Foto de perfil de Eduardo Fagundes
Siga-nos
Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Deixe uma resposta