Empresas perdem oportunidades de crescimento com demissão de pessoal qualificado

Conversei com um profissional altamente qualificado que acabou de perder o emprego. Ele me contou que sua empresa resolveu focar no negócio em que ela é reconhecida no mercado mundial e deixou outras frentes que atuava. Neste movimento, a empresa demitiu mais de 1.000 pessoas, globalmente. Normal, as empresas buscarem seus propósitos iniciais e focarem nos negócios que as tornaram reconhecidas no mercado e razão de seu sucesso. Atuar em diferentes mercados sob uma mesma organização é um grande desafio, principalmente, nos dias atuais com novos entrantes, como a Tesla, que em poucos anos ultrapassou o valor de mercado da Ford e GM. Entretanto, a decisão de demitir funcionários qualificados, que muitas vezes se investiu muito em treinamento, não é a mais inteligente. O ideal seria se as empresas criassem startups, independentes de suas operações, com os mesmos negócios que vinham atuando e alocassem o pessoal nestas novas empresas. Provavelmente, o investimento nas startups seria o mesmo que as custas indenizatórias para demiti-los.

Reunião de Startup

Os novos cenários de negócios desafiam as empresas a buscarem novos modelos para atuarem no mercado. Sempre foi assim, a diferença agora é a grande velocidade que isto ocorre. Algumas vezes, o baixo desempenho de um negócio não é que ele ruim, mas sim um problema de gestão. Não das pessoas que atuam no negócio, mas como ele está posicionado dentro da empresa. Colocar um negócio novo e de perfil diferente do carro-chefe da empresa requer um novo modelo de gestão. As empresas erram em querer “enquadrar” qualquer negócio dentro das características da empresa já constituída. As áreas de contabilidade, recursos humanos e tecnologia da informação (TI) são as primeiras que devem ser substituídas na criação de um novo negócio.

Sempre proponho para executivos de empresas já constituídas que ao lançarem novos negócios, criem dentro do conceito de uma startup, independente do negócio principal, e com grande autonomia, inclusive não se reportando para executivos internos.

Transformar o processo de demissão em um processo de criação de uma startup, é a melhor decisão para as empresas. Ao invés de pagar altos somas em dinheiro para empresas de Replacement, inventam em empresas de consultoria para ajudar no desenvolvimento de um novo negócio e coaching nos funcionários para transformá-los em empreendedores.

Esta nova abordagem, garante a diversificação dos negócios da empresa, com menos risco e cria condições propicias para o desenvolvimento de novos negócios disruptivos. Cria condições para as empresas já constituídas se transformarem no futuro. Talvez, um grupo de funcionários demitidos hoje possam ser a chave para o sucesso futuro da empresa.

Deixe uma resposta