Está chegando ao fim a era dos Desktops e Notebooks

A miniaturização dos componentes eletrônicos e o crescimento exponencial da capacidade de processamento dos smartphones e tablets permitem sistemas operacionais e softwares mais sofisticados e poderosos. Com isso, começa a eclipsar a necessidade dos grandes e desajeitados desktops e notebooks. Um exemplo da nova geração de equipamentos é o HP Elite X3, um phablet com Windows que pode se tornar um PC através do Continuum, um recurso que permite aos usuários conectar seus smartphones com Windows em um monitor, mouse e teclado.

O phablet da HP tem um processador Qualcomm Snapdragon 820 e 4 GB de RAM, 64 GB interno, expansível até 2 TB usando um cartão micros. Usa uma bateria de 4.150 mAh que garante energia até mesmo para as tarefas mais pesadas. Tem uma câmera traseira de 16 MP e 8MP de frente.

HP-Elite-1

Parece que esse lançamento da HP indica a nova geração de equipamentos de uso pessoal e o fim da atual geração de desktops e notebooks.

Confesso que tive que comprar um novo notebook para executar funções do MS-Excel que não estão disponíveis no iPad Air. Tinha a expectativa que o iPad Pro executasse essas funções, porém ainda não estão disponíveis para o iOS 9, mesmo com o aumento da capacidade de processamento.

A Apple teve que se render ao teclado no iPad Pro, seguindo o Microsoft Surface. A Huawei lançou um notebook hibrido, o MateBook, com Windows 10 para competir a Apple e Microsoft. A briga começa a concentrar nessa linha de equipamentos. Parece que a HP entra com um novo paradigma que pode transformar esse mercado.

Existe uma expectativa no mercado para a convergência dos sistemas operacionais da Apple, o OS X e o iOS, para um único sistema operacional, embora negado pela empresa. Segundo Tim Cook, CEO da Apple, isso não é viável no momento.

Considerando que cada vez mais as empresas estão migrando suas aplicações para Cloud Computing e adotando o modelo BYOD – Bring Your Own Device – as empresas estão reduzindo a compra de computadores para seus funcionários e, consequentemente, redimensionando o tamanho (e custo) dos serviços de help-desk.

Aplicações em Cloud Computing aumentam a segurança das aplicações e concentram todos os arquivos corporativos em um único lugar, evitando perdas e vulnerabilidade dos dados. Simplificam enormemente a manutenção, uma vez que se o hardware ou software derem problemas, basta substituir por outro sem prejuízo do trabalho e perda de produtividade dos usuários.

O desafio para a adoção dos novos equipamentos é a barreira do preço. O preço de entrada do iPad Pro no Brasil é de R$7.300, sem o teclado e a caneta, contra um notebook 2 em 1 na faixa de R$4.000 (dados de fevereiro de 2016).

Por outro lado, pensando de forma corporativa, esses valores não assustadores considerando o custo/benefício, incluindo a introdução de um novo estilo de trabalho na organização, aumento da segurança e redução de custos associados aos antigos PCs.

Foto de perfil de Eduardo Fagundes
Siga-nos

Eduardo Fagundes

Eduardo Fagundes é um empreendedor polivalente. Desenvolve projetos de P&D nas áreas de Big Data, Analytics, IoT e Inteligência Artificial para o setor de energia na Universidade Mackenzie (SP). Professor de Engenharia de Software no pós-graduação em Governança de TI da Universidade Mackenzie (SP), e de Estratégias de Negócios Sustentáveis no MBA da FIAP (SP). Desenvolveu e é tutor do curso online sobre Cidades Sustentáveis baseado na ISO 37.120, e coordena o fórum virtual sobre Cidades Inteligentes. Desenvolve projetos de eficiência energética e energia sustentável. Produz cursos online, aplica workshops de ideação, mentoring sobre tecnologias sustentáveis e projetos de inovação sustentável baseados no GRI (Global Reporting Initiative). Desenvolveu projetos na Alemanha, Argentina, Estados Unidos, Índia, Inglaterra e Itália. Fundou três startups.
Foto de perfil de Eduardo Fagundes
Siga-nos
Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Deixe uma resposta