Sustentabilidade e autossuficiência energética nas construções atuais

Sustentabilidade e autossuficiência energética são pontos fundamentais nas construções atuais. Arquitetos e engenheiros estão sendo desafiados a criar novas formas de construir com eficiência, aproveitando todo o potencial do lugar para reduzir o uso de recursos naturais e gerar fontes de energia. Tudo isso oferendo mais conforto e prazer para os usuários desses lugares.

Uma reportagem do Jornal Nacional da Globo, em 22/10/2011, mostrou as inovadoras construções na Dinamarca (http://glo.bo/oiOyij).  A reportagem mostra que os novos projetos desmistificam a ideia de que conforto e sustentabilidade não habitam o mesmo espaço. Na chamada arquitetura sustentável, natureza e qualidade de vida se encaixam perfeitamente em obras arrojadas, que aproveitam, ao máximo, o que o meio ambiente oferece. Segundo um morador, “é um jeito tropical de viver em plena Escandinávia” que pagou o equivalente a R$500 mil por um apartamento de três quartos. (Ops! Mais barato que muitos apartamentos de segunda linha em São Paulo. Por quê?)

Segundo a reportagem, a Dinamarca está exportando projetos autossustentáveis para mais de 100 países. O mais ousado está em construção no Azerbaijão. O Azerbaijão é um país localizado no Cáucaso, na fronteira entre a Europa e a Ásia. A região nunca foi unificada, sendo composta por várias tribos que foram islamizadas. Pertenceu ao Império Persa entre os séculos XI e XVIII e, a partir, século XX integrou a extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, da qual emancipou-se finalmente como unidade nacional independente em 1991. Nos últimos anos, o país está transformando sua paisagem metropolitana com novíssimas e inovadoras construções. (Veja no YouTube o programa Build it Bigger da Discovery, um dos meus programas preferidos, sobre construções em Baku, capital do Azerbaijão, http://youtu.be/oRNDB_2gwx0).

O condomínio em Baku vai ocupar uma ilha inteira, na baía em frente à cidade. Os prédios terão formato de montanhas ou pirâmides para aproveitar o máximo de sol, e a ilha será autossustentável, com emissão zero de carbono. Veja o vídeo e atente-se para as características de autossuficiência energética do projeto.

Deixe uma resposta