Qual o nível do seu Quociente de Internet?

Qual é o nível de maturidade da sua organização para trabalhar com os negócios digitais? Desenvolver um ambiente organizacional sintonizado com as práticas de e-business é importante para ter condições de criar produtos e serviços disruptivos. Existem quatro atributos importantes para quem deseja ser competitivo no mercado digital: liderança, governança, competências e tecnologia. Com esses atributos é possível desenvolver projetos que agreguem valor ao negócio. As iniciativas ou projetos podem ser classificados em quatro quadrantes, dois de eficiência e dois de valor de e-business.

 

O quadrante de fundamentações novas desenvolve iniciativas táticas não crítica. Por exemplo, desenvolver um blog de especialistas internos para publicar informações de interesse para todos os funcionários ou para determinadas áreas, como um blog para publicar e tirar dúvidas sobre tributos, orientado a gerentes de projetos de diversas áreas de negócio.

O quadrante de experimentação racional desenvolve iniciativas de baixo impacto para a organização, porém com potencial para se tornar uma estratégica importante para a empresa. Os projetos nesse quadrante tem o objetivo de testar o mercado e colher informações para aperfeiçoar produtos e serviços.

O quadrante de estratégias marcantes são as iniciativas que realmente fazem a diferença nas organizações. Por exemplo, o modelo de negócio do Buscapé.com.br no Brasil, um site de comparação de preços na Internet. Sua plataforma tecnológica e modelo de negócio tornou o site uma referência no comércio eletrônico.

O quadrante de excelência operacional são as inciativas que tornam a organização eficiente. Por exemplo, o uso de um ERP (sistema integrado de gestão) que integra todas as informações dos processos de negócio da organização, oferecendo uma visão integrada do negócio.

No vídeo é apresentado um questionário para pontuar o nível do quociente de Internet da sua organização. No final você consegue avaliar qual o nível de maturidade da sua organização e identificar os pontos que devem ser melhorados.

Criando uma estratégia para o crescimento

As empresas devem conhecer seu gap de crescimento para planejar suas iniciativas por um período de pelo menos três anos. O ideal é planejar para 5, 10, 15, 20 e 30 anos. Parece muito? Não é. É a partir desse planejamento é que você direciona suas ações. Procure imaginar como será sua empresa em 2020. Nesse ano a maior parte da população brasileira será economicamente ativa, o bônus demográfico, com isso muito mais pessoas estarão comprando, praticamente, qualquer tipo de produto. Sua empresa estará preparada?

O primeiro passo é para tornar viável sua empresa no tempo é atingir a excelência na gestão. Desenvolver habilidades para desenvolver novos negócios, operá-los e se desfazer de negócios pouco rentáveis ou em declínio. Sua empresa tem que adquirir o direito de inovar e para isso ela precisa ser bem gerida.

O segundo passo é planejar o crescimento. Defina qual a receita você deseja ter daqui a cinco anos. Projete as receitas com seus produtos atuais para daqui a cinco anos. Some as receitas adjacentes, aquelas que sua empresa conseguirá com novos mercados ou outras iniciativas com a linha de produtos atuais. Planeje novas iniciativas baseadas em inovação. Depois subtraia a soma das receitas planejadas com a sua meta de receita (objetivo desafiador) para o quinto ano. A diferença é o seu gap de crescimento.

Para neutralizar o gap de crescimento você deve desenvolver tantas iniciativas forem necessárias, considerando uma taxa de sucesso para cada uma delas.

Para definir as iniciativas de inovação é necessário estabelecer algumas metas e limitações em várias dimensões.

Por último, você definir a quantidade e qualidade dos recursos alocados para executar sua estratégia.

Princípios da Inovação Disruptiva

Existem três princípios básicos da inovação disruptiva associados à saciação dos consumidores, a quebra de regras e o modelo de negócio. Podemos afirmar que a saciação, o limite de funcionalidades ou serviços que um produto que os consumidores estão dispostos a pagar, é o cerne da inovação disruptiva. É necessário identificar quando um produto ou serviço atinge esse patamar em diferentes mercados. A quebra de regras é quando um disruptor identifica uma nova forma de fazer um negócio diferente do consenso do mercado e até mesmo dos consumidores. Um modelo de negócio diferente é quando adequa-se a oferta de um produto ou serviço já estabelecido em determinado mercado para outros novos mercados.

Podemos enunciar os três princípios da seguinte forma:

  1. A saciação cria condições para a disrupção;
  2. A disrupção provém da quebra de regras;
  3. A inovação do modelo de negócios normalmente propulsiona a disrupção.

O Modelo do Caos

O caos pode ser utilizado para auto-organizar as empresas para um novo patamar de crescimento. Os líderes não podem perder a oportunidade para melhor significativamente o desempenho da empresa em períodos de caos. Se eles não surgirem, crie-os.

Nesse vídeo utilizei duas linhas de pensamento para argumentar as vantagens do caos para alavancar o desempenho das empresas. A primeira linha de pensamento é de Jim Collins apresentado em seu livro Good-to-Great. A segunda, o modelo do caos.

Jim Collins pesquisou várias empresas americanas de diversos segmentos que tiveram crescimento espetacular (Great) e comparou com empresas similares com resultados bons (Good) no período de 15 anos. A partir desse estudo ele e sua equipe identificaram quais são as condições para as empresas passarem de bons resultados para resultados espetaculares. A figura abaixo mostra os principais pontos que devem ser aplicados nas empresas.

Associando essa linha de pensamento com o modelo do caos podemos complementar as medidas que as empresas devem implantar para obter um crescimento excepcional e mudar seu patamar de crescimento e competitividade.