Como Blockchain e IA podem proteger sua privacidade

A Internet e a nuvem mudaram para melhor a vida das pessoas, porém colocaram em risco a privacidade das pessoas. O Google rastreia todos os nossos movimentos através de seus softwares nos bilhões de celulares ao redor do mundo. Com a enorme variedade e volume de dados as empresas perderam o controle de seus dados. Mesmo gigantes da computação, como o Facebook, entregaram dados de usuários que adequadamente manipulados podem ter influenciado as eleições americanas. Além do roubo de informações, algoritmos de Machine Learning podem estabelecer relações entre dados e definir comportamentos de usuários, mesmo usando dados anonimizados. Com as novas legislações sobre privacidade de dados, implicando em severas penalidades, criou-se um enorme desafio para as empresas protegerem os dados de seus clientes. Por sorte, o uso combinado de Blockchain e a inteligência artificial podem, se não resolver por completo, minimizar o risco de vazamento de informações privadas.

Pesquisadores de Berkeley desenvolveram uma ferramenta de código aberto que limita o quanto os funcionários podem aprender sobre os clientes individuais, analisando os dados dos usuários. Ele é baseado em uma técnica chamada privacidade diferencial, projetada para proteger a identidade dos indivíduos, mesmo quando os dados supostamente foram anonimizados.

Esta técnica é usada pela Apple para coletar dados de iPhones sem arriscar a privacidade do cliente. No sistema do Uber, os funcionários podem consultar um banco de dados, por exemplo, para resumir os passeios recentes em uma área específica. Entretanto, algoritmos avaliam o risco de a solicitação vazar informações sobre os indivíduos e injetam ruído aleatório nos dados para neutralizar esse risco. Perguntas sobre passeios recentes em uma cidade grande, pouco ou nenhum ruído será necessário; perguntas sobre um local específico, que podem identificar um indivíduo, é inserido muito mais ruído. A decisão sobre o nível de ruído nos dados será definida por algoritmos de inteligência artificial.

O software da Uber de privacidade diferencial não usa blockchain, utiliza um tipo de sistema de registros criptografados que limita o acesso dos funcionários. Entretanto, ninguém sabe como o sistema foi implantado e o quanto ele é eficiente. Temos que acreditar na Uber.

Por outro lado, se as empresas usarem sistemas de privacidade e segurança conectados ao blockchain de uma empresa certificadora, esta poderá fornecer garantias criptográficas uns aos outros, ou a seus clientes, certificando que as regras são aplicadas corretamente. Este tipo de sistema tem aplicação em vários setores, como na saúde, finanças e comércio.

Pesquisadores da Johns Hopkins e do MIT estão desenvolvendo o ZCash, uma criptografia criada para oferecer transações digitais totalmente anônimas. O JP Morgan é um dos parceiros deste projeto, afirmando que o anonimato pode ajudar as empresas a manter suas finanças mais privada.

Os desafios são grandes e exigem uma maior participação dos talentos acadêmicos das Universidades e profissionais de diversas áreas de negócios colaborem para aperfeiçoar as técnicas de proteção da informação.

Deixe uma resposta