Outsourcing

O outsourcing é inevitável e cresce nas organizações de TI. Com isso, os gestores de TI devem se concentrar em determinar os níveis de serviços (SLA) e implantar mecanismos de gestão, lembrando que o outsourcing não tira da TI a responsabilidade pelos serviços perante a organização.  A visão de que o outsourcing resolve os problemas de eficiência é mera ilusão sem um bom contrato e sem a implantação de um controle interno rígido. A gestão do outsourcing não se delega. O processo inicia com a definição estratégica do outsourcing. Passa pela elaboração da RFP, a correta implantação com uma eficiente gestão de mudanças e uma gestão interna dos serviços. Essa gestão requer métricas claras e tangíveis de serem medidas.

Porque a Google comprou a Global IP Solutions?

A Google está se preparando para a nova geração da Internet: videoconferência via Internet. A Global IP Solutions (GIPS) possui tecnologias para videoconferência para iPhone e fornece tecnologia para a rival Yahoo!. Essa tendência já pode ser vista com o anúncio da Google TV. Com o uso da tecnologia da GIPS no Android será possível ter videoconferência direto dos smartphones Android e, talvez, faturar com os direitos de uso da tecnologia em outras plataformas. Se essa é tendência do mercado, qual o impacto desse novo serviço para as empresas? Certamente, teremos que projetar nossas redes de comunicação internas para suportar videoconferência e outros serviços que exigem alto tráfego de dados. Isso implica em reforçar a segurança da rede, pois será necessário os acessos de videoconferência com outras empresas em conexões P2P. Será uma boa oportunidade para migrar para o IPv6 que traz vantagens de segurança e desempenho das redes.

Características das Novas Redes

A infra-estrutura de rede é estratégica para suportar uma variedade de novas tecnologias e serviços indispensáveis para as pessoas e empresas. As redes devem ser orientadas a serviços, devem ser escaláveis e elásticas, confiáveis e altamente disponíveis. O desafio para os projetistas de redes é antever o futuro e desenhar redes adaptativas. Serviços com Cloud Computing e a rápida expansão das aplicações móveis requerem redes com acordos de níveis de serviços elevados. Além do desafio tecnológico existem os desafios regulatórios. A implantação de muitas tecnologias requer uma legislação especifica das agências reguladoras. Hoje não apenas limitada as agências de telecomunicações, mas a outras agências onde as telecomunicações interferem como a agência reguladora de energia quando o tema é BPL (Broadband Power Line).

Crescimento de 4% em 2009 das ferramentas de BI, Analíticas e PM

As ferramentas de inteligência de negócios (BI, Analíticas e Performance Management) cresceram 4% em 2009 em relação a 2008. Os principais “players” são a SAP, Oracle, SAS, IBM e Microsoft, segundo o Gartner. O SAP liderá o ranking com suas soluções, incluindo o Business Object (BO). Essas cinco empresas detêm 71% do market-shared. Interessantes esses dados. Em tempos de crise, as empresas deveriam intensificar as análises e simulações de negócios para identificar novas oportunidades e trabalhar na otimização dos processos. Mas, ao que parece a solução para cortar custos foi reduzir pessoal e frear investimentos. Falta de visão dos executivos, inabilidade dos executivos de TI em demonstrar os benefícios das ferramentas ou estrutura de dados ineficaz que não permite o uso do BI? Talvez a combinação dos três fatores. O que fazer? Primeiro, a TI deve fazer a lição de casa e definir e implantar um modelo de Enterprise Architecture (EA), incluindo uma eficiente modelagem de dados e taxonomia. Depois, criar pequenos projetos para demonstrar a eficiência das ferramentas analíticas e de gestão de desempenho de negócios. Todo isso com um forte suporte das áreas de negócios.