Os desafios da transformação digital e sustentabilidade

Investidores querem mais informações sobre questões ambientais, sociais e de governança corporativa antes de colocar dinheiro em uma empresa, segundo uma pesquisa da consultoria EY (Ernst & Young). Em 2016, 68% dos 320 investidores com mais de US$10 bilhões em ativos disseram que as informações não financeiras são fundamentais para definir o destino de seus investimentos. Simultaneamente, os executivos são pressionados para a transformação digital de seus negócios, buscando os benefícios da automação extrema usando as tecnologias da Industria 4.0 e sistemas mais inteligentes fazendo uso de sensores remotos (IoT), Big Data, realidade aumentada e inteligência artificial (Machine Learning, Redes Neurais e Deep Learniing). O uso destas tecnologias reduz o impacto ambiental e o aquecimento global, porém também reduz, drasticamente, o número de empregos. A velocidade das mudanças tecnológicas gera uma rápida obsolescência de algumas habilidades humanas, incluindo o raciocínio mental, e um desafio para a requalificação da mão de obra. Para ser sustentável e usando as novas tecnologias digitais as empresas precisam ampliar suas ações sociais com a comunidade, incluindo o fomento ao empreendedorismo. Continue lendo “Os desafios da transformação digital e sustentabilidade”

Reposicionamento da HPE: Concluído o spin-merge da HPE com a MicroFocus

Quase um depois de anunciado o spin-merge (spin-off e merge) da HPE – Hewlett Packard Enterprise – com a MicroFocus, criando uma das maiores empresas de software do mundo, iniciará a operação no dia 1º de setembro de 2017. A MicroFocus, proprietária do Linux SuSe e da Attachmate, pagou US$8,8 bilhões pela HPE, pagos US$2,5 bilhões em dinheiro e os acionistas da HPE ficarão com 50,1% da nova empresa. Esta é a segundo grande spin-merge da HPE, o primeiro foi a venda da sua divisão de serviços de consultoria para a CSC (Computer Sciences Corporation). A HPE deve se concentrar em três grandes negócios: definição de ambientes por software (software-defined) e cloud computing; infraestrutura para data centers; e, Internet of Things. Continue lendo “Reposicionamento da HPE: Concluído o spin-merge da HPE com a MicroFocus”

As empresas conseguem reter pessoas capazes de executar transformações disruptivas?

Por sorte, tenho contato com centenas de jovens todos os anos, trabalhando como professor de cursos de pós-graduação em tecnologia e em um programa de MBA além de milhares de estudantes online como produtor e tutor de cursos a distância. Isto me permite acompanhar as expectativas e desafios de jovens qualificados, que trabalham em empresas de todos os portes e setores, além de muitos empreendedores. Nos estudos de casos que aplico é nítida a diferença entre alunos que trabalham em organizações já estruturadas e de quem tem ou aspira ter seu próprio negócio, a partir das soluções propostas para os desafios apresentados. Embora não seja unânime, os empregados em corporações têm pensamentos mais lineares e estruturados e os empreendedores menos estruturados. A maioria estuda para dar saltos na carreira, buscando melhores cargos e salários, ou para desenvolver o seu próprio negócio (o MBA da FIAP tem foco no empreendedorismo). Isto coloca um desafio para as grandes e estruturadas empresas que seguem rígidos modelos de governança corporativa: como reter os talentos que possam fazer as transformações disruptivas que o mercado exige? Uma das solução é criar startups para produzir produtos e serviços que serão adotados pela empresa no futuro.
Continue lendo “As empresas conseguem reter pessoas capazes de executar transformações disruptivas?”

As empresas conseguem reter pessoas capazes de executar transformações disruptivas?

Por sorte, tenho contato com centenas de jovens todos os anos, trabalhando como professor de cursos de pós-graduação em tecnologia e em um programa de MBA além de milhares de estudantes online como produtor e tutor de cursos a distância. Isto me permite acompanhar as expectativas e desafios de jovens qualificados, que trabalham em empresas de todos os portes e setores, além de muitos empreendedores. Nos estudos de casos que aplico é nítida a diferença entre alunos que trabalham em organizações já estruturadas e de quem tem ou aspira ter seu próprio negócio, a partir das soluções propostas para os desafios apresentados. Embora não seja unânime, os empregados em corporações têm pensamentos mais lineares e estruturados e os empreendedores menos estruturados. A maioria estuda para dar saltos na carreira, buscando melhores cargos e salários, ou para desenvolver o seu próprio negócio (o MBA da FIAP tem foco no empreendedorismo). Isto coloca um desafio para as grandes e estruturadas empresas que seguem rígidos modelos de governança corporativa: como reter os talentos que possam fazer as transformações disruptivas que o mercado exige? Uma das solução é criar startups para produzir produtos e serviços que serão adotados pela empresa no futuro. Continue lendo “As empresas conseguem reter pessoas capazes de executar transformações disruptivas?”