É imperativo mudar as plataformas de software das empresas de energia elétrica

A modernização do setor elétrico, com a introdução de redes inteligentes (Smart Grid), requer a substituição das atuais plataformas de software. A atuais plataformas são baseadas em bancos de dados relacionais e proprietários com ferramentas analíticas de Business Intelligence (BI). O uso intensivo de dispositivos remotos com IoT (Internet of Things) para monitoração e automação de processos (Self-healing) gera uma enorme quantidade de dados em diferentes formatos multimídia (valores, texto, figuras e vídeos). Os bancos de dados relacionais não são eficientes para armazenar e tratar gigantescos volumes de dados multimídia, seja pelo custo elevado ou por sua concepção de tabelas e relacionamentos. Empresas jovens de comercialização de energia já começam a utilizar softwares de Big Data open source e novas ferramentas analíticas para auxiliar seus clientes na gestão de demanda. No Brasil o mercado de energia está em transformação, onde novos players no mercado livre de energia e comercializadores poderão adotar soluções com novas plataformas de software, mais baratas e mais eficientes. Continue lendo “É imperativo mudar as plataformas de software das empresas de energia elétrica”

Redes Neurais para detectar fraudes em distribuidoras de energia elétrica

O uso de medidores eletrônicos e redes neurais artificiais poderão reduzir as perdas comerciais de energia. O custo da energia elétrica no Brasil poderia ser menor se reduzíssemos as perdas comerciais das distribuidoras, que giram em torno de 5%, totalizando cerca de R$8 milhões por ano, maior que as perdas da Petrobrás na Operação Lava a Jato.  Continue lendo “Redes Neurais para detectar fraudes em distribuidoras de energia elétrica”

Sistemas atuais de self-healing podem falhar em redes de energia complexas

Geração eólica de energia

Um dos grandes atrativos das redes inteligentes de energia (geração, transmissão e distribuição) é a autorrecuperação de falhas. Isto implica em monitorar a rede em tempo real, tornando-a mais estável e eficiente. A resposta rápida a uma falha e a autorrecuperação reduz o tempo de indisponibilidade dos serviços e melhor qualidade de serviço. A implementação de redes inteligentes de energia (Smart Grid) é um desafio em vários países, devido aos grandes investimentos de modernização da infraestrutura. Uma rede inteligente permite antecipar problemas e fazer um isolamento rápido do problema, evitando apagões em larga escala. Os sistemas de self-healing atuais utilizam técnicas de sistemas especialistas (if-then), ou seja, implementam regras pré-definidas para autorrecuperação, baseadas na experiência de especialistas humanos. Estes sistemas funcionam bem em redes de baixa complexidade, onde as variáveis elétricas, mecânicas e hidráulicas são conhecidas e facilmente relacionadas. Entretanto, o aumento da complexidade da rede, introduzindo cada vez mais dispositivos inteligentes remotos (IoT, Internet of Things) fará com que a capacidade humana de planejamento e os sistemas especialistas atuais deixem de ser eficientes, aumentando o risco de falhas de configuração dos sistemas elétricos e com elevada dificuldade de recuperação. A alternativa mais viável é o uso de redes neurais artificiais, dentro da área do contexto de inteligência artificial. Continue lendo “Sistemas atuais de self-healing podem falhar em redes de energia complexas”