Samsung Galaxy Tab

A Samsung lançou um novo Galaxy Tab com tela touchscreen de 7 polegadas 1024 x 600, menor que o iPad da Apple. O novo table tem o sistema operacional Android 2.2, um processador Cortex de 1.06GHz, 512 MB de memória, Quad-band GMS e tri-band HSDPA. Possui duas câmeras, uma com 3 megapixel com flash na parte de trás e uma frontal de 1,3 megapixel. A bateria suporta até 7 horas de reprodução de filmes. Tem GPS e memória flash de 16 ou 32GB.

Samsung Galaxy Tab

O table da Samsung concorre diretamente com o iPad e outros que vem na mesma linha. A escolha será mais pela emoção para a maioria das pessoas. Existem no mercado vários sistemas operacionais, entre eles: iPhone OS, Android, Windows Phone, Blackberry OS e Linux. O iPhone OS e Blackberry OS executam em plataformas proprietárias que oferecem as vantagens de máximo desempenho do hardware. Os sistemas operacionais têm a vantagem de operar em hardwares de múltiplos fornecedores e, consequentemente, permitir inovações constantes. Isso é atraente para os desenvolvedores de software que podem produzir mais. Embora exista o risco de seus programas não funcionarem com bom desempenho em todos os hardwares. Do ponto de vista profissional, a escolha deve ser técnica envolvendo aspectos de compatibilidade com os sistemas utilizados pela empresa e segurança. A escolha deve ser rápida porque em pouco tempo os PCs e notebooks serão a segunda opção de acesso aos dados corporativos.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Maturidade das Empresas de Software

Para o setor de software no Brasil ser mais competitivo é fundamental que as empresas atinjam níveis de maturidade compatíveis com o mercado globalizado. Para o desenvolvimento de software existem normas internacionais que definem as melhores práticas através de estruturas e processos. As normas ISO/IEC 12.207 e ISO/IEC 15.504 definem os processos, propósitos, resultados, capacidade e requisitos de avaliação. O modelo CMMi segue a mesma linha definindo os níveis de maturidade de 2 a 5. Para os grandes exportadores de software devem atingir níveis de maturidade CMMi 4 e 5 para serem competitivos globalmente, independente do investimento a ser realizado. As pequenas empresas de software que representam 99% do setor devem no mínimo atingir o nível 3 do CMMi para serem competitivas no mercado local. Entretanto, para as pequenas e médias empresas o investimento em certificação é extremamente critico em um cenário onde cerca de 50% delas não ultrapassam 5 anos de vida. Por outro lado, o efeito China tem feito as empresas em geral buscarem preços mais competitivos e forçam os fornecedores a trabalharem com margens pequenas, inviabilizando investimentos em certificações. Nesse ponto entra o papel do Estado em fomentar o crescimento e aperfeiçoamento das empresas para garantir o crescimento sustentável do País. Dentro dessa linha foi criado o MPS-BR, um projeto que desenvolveu um modelo de referência nacional para a Melhoria de Processos de Software (MR-MPS) voltado para a realidade das empresas nacionais. O projeto é liderado pela Softex e apoiado pelo Governo e Universidades.

O MPS-BR fornece uma visão geral sobre os demais guias que apóiam os processos de avaliação e de aquisição. Seus 7 níveis de maturidade cobrem processos com propósitos e capacidade com atributos orientados a resultados. Segue a descrição dos níveis do MPS-BR:

A – Inovação e implantação na organização; análise e resolução de causas.

B – Desempenho do processo organizacional; gerencia quantitativa do projeto.

C – Análise de decisão e resolução; gerencia de risco.

D – Desenvolvimento de requisitos; solução técnica; integração de produto; instalação do produto; liberação do produto; verificação e validação.

E – Treinamento; avaliação de melhoria do processo organizacional; definição do processo organizacional; adaptação dos processos para a gerência do projeto.

F – Medição; gerencia de configuração; aquisição; garantia de qualidade.

G – Gerencia de requisitos e gerencia de projetos.

O modelo pode ser relacionado com os níveis de maturidade do CMMi com mostra a figura abaixo.

MPS-Br x CMMi

Para fomentar o uso do MPS-BR é importante a participação do Governo definindo linhas de financiamento e orientado as empresas estatais a solicitarem certificação das empresas de software em seus editais de contratação após um período de maturação do mercado.

O processo de certificação das empresas de software é realizado por agentes credenciados da Softex dentro de critérios detalhados descritos no guia de avaliação.

A adoção de uma metodologia certificada é importante para elevar os níveis de maturidade das empresas e, essencial, para atingir o objetivo de elevar a participação do setor no PIB nacional de 3,5% para 5,3% até 2020. Atingir níveis de maturidade mais elevados significa investimento e compromisso das empresas. A sofisticação dos processos exigirá pessoal qualificado e aumento da estrutura organizacional. O treinamento é parte importante nesse processo.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Brasil-ID: Agora o RFID para logística emplaca

Agora a tecnologia RFID para a área de logística emplaca no Brasil. Em uma iniciativa conjunta o Ministério da Ciência e Tecnologia, Receita Federal, Secretarias de Fazenda estaduais e a Fundação Wernher Von Braun criou-se o Sistema Nacional de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias (www.brasil-id.org.br). O sistema utiliza a tecnologia RFID (identificação por radiofreqüência) e outras tecnologias de comunicação sem-fio. O sistema permite a identificação e rastreamento de mercadorias a distância. Serão instaladas tags RFID nos produtos ou embalagens no momento do despacho das mercadorias. Através de sensores localizados próximos aos postos de fiscalização serão lidas as informações das mercadorias e transmitidas para o posto. Com isso, antecipadamente os fiscais saberão que um caminhão está chegando com as mercadorias e poderão decidir quais os procedimentos de fiscalização que irão adotar. Para o governo, uma das vantagens é a agilidade nos processos de auditoria e fiscalização de tributos, mercadorias e prestação de serviços. Para as empresas, o projeto deve reduzir os custos e melhorar os processos de produção, armazenagem, distribuição e logística.

Logística com RFID

A tecnologia de RFID já está madura e é utilizada em centenas de aplicações há muitos anos. No Brasil, houve várias iniciativas para implantá-la em larga escala na área de logística, porém sempre esbarrava na questão de custos. Como não existiam projetos que gerassem grandes demandas não havia possibilidade de redução de preços por escala. Com esse projeto liderado pelo governo e pela Receita Federal e Secretarias de Fazenda o projeto deve ser implantado em escala nacional com grandes volumes de equipamentos e tags, o que deve gerar uma queda nos custos.

Essa iniciativa vem a consolida a sofisticação dos instrumentos da Receita Federal de fiscalização baseados em alta tecnologia. Agora não tem jeito, as empresas terão que adotar a tecnologia assim com tiveram que adotar o SPED e a e-NF, só para citar iniciativas do governo mais recentes. Como não tem jeito, as empresas devem encontrar formas de se beneficiar com a tecnologia RFID.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Web Apps

Estou escrevendo este post através do Microsoft Word Web App. Para as funções básicas de edição as duas principais aplicações disponíveis na web (Google Apps e Office Web Apps) são suficientes. As vantagens que vejo em editar através da web é a flexibilidade de uso de computadores diferentes, a edição em grupo, armazenagem na nuvem e é grátis.  As principais funções de uma aplicação de edição são: fontes; bullets e tabelas; inserção e manipulação de fotos; inserção de gráficos de outras ferramenta; cabeçalhos e rodapés; ortografia, gramática e contagem de palavras; e, impressão. Podemos questionar a segurança e a privacidade: Será que alguém está olhando o que estou escrevendo, mesmo para fins estatísticos? Temos que confiar na reputação e seriedade das empresas que oferecem o serviço.

A Microsoft e a Google oferecem uma suíte completa de ferramentas na web com acesso gratuito. No caso da Microsoft é uma típica estratégica de freemium, ou seja, use a versão gratuita para o básico e compre a versão Premium para atividades mais sofisticadas. Para o Google isso é parte de sua estratégia de oferecer ferramentas úteis de graça.

Aplicações na Web de Edição de Texto

Comparando as duas ferramentas de edição considero a da Google com mais funcionalidades. Na ferramenta da Microsoft inexplicavelmente falta a inserção de cabeçalho e rodapé, funcionalidade importante para qualquer edição tanto escolar como profissional. A edição de fórmulas é uma outra função interessante do Google Apps. A vantagem da ferramenta da Microsoft é que o design e a navegação são iguais a versão instalada e local do MS-Word, o que facilita o uso. Quando se adquire a versão do MS-Office 2010 você orientado a instalar a versão web.

Temos que ir nos acostumando as versões de software na nuvem, pois em pouco tempo será o nosso dia a dia. As questões de segurança devem ser discutidas e as empresas devem transmitir confiança aos usuários. Alias, a confiança nos serviços é e será o principal diferencial dos fornecedores de aplicações na nuvem.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Planos do setor de TIC no Brasil para 2020

O setor de TIC tem um déficit de 71 mil profissionais no Brasil e esse déficit chegará a 200 mil em 2013. O mercado de TIC é formado por 94% de micro empresas, 5% de médias empresas e apenas 1% de grandes empresas. Cerca de 50% das empresas não ultrapassam 5 anos de vida. O mercado de TIC movimenta 3,5% do PIB, contra 8,3% da média do PIB de outros países. Existe um esforço do setor de TIC para elevar a participação do PIB para 5,3% até 2020 em um cenário de transformação do setor com a introdução de novas tecnologias: computação em nuvem, virtualização, aplicações móveis e redes sociais. Para atingir esse objetivo será necessário criar mais de 750 mil postos de trabalho até 2020. Para a meta de crescer de US$3 bilhões para US$20 bilhões em exportações serão necessários 300 mil novos profissionais, considerando que para cada US$1 bilhão exportado é necessário 20 mil profissionais. O mercado interno necessitará captar mais 450 mil profissionais. Para enfrentar esses desafios é necessário um esforço conjunto entre a sociedade, à classe empresarial e o governo. Devem ser criadas ações de incentivo para qualificação de profissionais, ações para garantir o desenvolvimento de novas empresas e simplificação e isenção tributária. Entidades do setor de TIC no Brasil estão articulando ações para junto com o Governo implantar ações de transformação e crescimento do setor, tais como Softex, SUCESU, ABES, BRASSCOM e ASSEPRO.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedin