Pular para o conteúdo

Governança de TI

Contexto

A governança da tecnologia da informação (TI) é uma disciplina da governança corporativa, focada nos processos, metodologias de desenvolvimento de software, infraestrutura de computadores e comunicação, armazenamento e processamento de dados, para concentrar esforços na criação de valor para os objetivos estratégicos das organizações e gerenciar os riscos associados a tecnologia.

Muitas vezes, a governança de TI é confundida com o gerenciamento, conformidade e controles de TI. Uma maneira simples de explicar a governança de TI é: o que deve ser alcançado com os recursos de TI. Enquanto o gerenciamento de TI trata de “planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos de TI” (ou seja, como). A governança de TI é sobre a criação de valor para as partes interessadas com base na orientação dada por quem governa.

Desta forma, quando uma empresa decide terceirizar os serviços de TI, para um ambiente de computação em nuvem (Cloud Computing), por exemplo, ela está transferindo o gerenciamento para uma empresa especializada em TI. Entretanto, permanece com a empresa a responsabilidade pela governança de TI, dentro do contexto da governança corporativa.

A governança corporativa da tecnologia da informação ISO/IEC 38.500:2015 fornece uma estrutura para uma governança efetiva da TI, para ajudar aqueles do mais alto nível de organizações a entender e cumprir seus requisitos legais, regulamentares, e obrigações éticas em relação ao uso de TI de suas organizações. A ISO/IEC 38.500 é aplicável a organizações de todos os tamanhos, incluindo empresas públicas e privadas, entidades governamentais e organizações sem fins lucrativos. Esse padrão fornece princípios orientadores para diretores de organizações sobre o uso eficaz, eficiente e aceitável da TI dentro de suas organizações.

O COBIT 2019 é um framework, conjunto de ideias e regras, para a governança e gerenciamento de informações e tecnologia de uma empresa para atingir seus objetivos estratégicos, independentemente, de onde isso acontece na empresa, não limitando-se ao departamento de TI da organização. O framework COBIT 2019 faz uma distinção clara entre governança e gestão. Essas duas disciplinas abrangem atividades diferentes, exigem estruturas organizacionais diferentes com propósitos diferentes.

A governança garante que:

  • As necessidades, condições e opções das partes interessadas são avaliadas para determinar objetivos empresariais equilibrados e acordados;
  • A direção é definida através da priorização e tomada de decisão;
  • O desempenho e a conformidade são monitorados de acordo com a direção e os objetivos acordados.

Na maioria das empresas, a governança é de responsabilidade do Conselho de Administração ou do Diretor-Presidente. Responsabilidades específicas de governança podem ser delegadas a estruturas organizacionais especiais com nível apropriado, particularmente, em empresas maiores e complexas.

O gerenciamento é responsável pelo planejamento, desenvolvimento, execução e monitoração das atividades de TI, alinhadas com a governança.

Serviço

Treinamento, mentoria e desenvolvimento de programas de governança de TI.

Currículo de Eduardo Fagundes

  • Graduação em Engenheiro Elétrica (PUC-RS);
  • Especialização em Telecomunicações (FAAP);
  • Mestrado em Ciência da Computação/Engenharia Elétrica (Mackenzie)
  • Extensão universitária em Leadership & Business pela Darden School of Business da Universidade da Virginia (US);
  • Autor do livro “Como ingressar nos negócios digitais”, patrocinado pelo SEBRAE Nacional;
  • Autor do e-book “Orçamento e custeio para serviços de tecnologia da Informação”, Amazon Kindle;
  • Coordenador acadêmico do curso online sobre Eficiência Energética (64 horas) patrocinado pela ENEL Distribuidora São Paulo (2020);
  • Pesquisador FAPESP/Infra Solar no projeto para otimização de recarga de baterias com energia limpa e logística de posicionamento usando aprendizado de máquina e modelos preditivos para equipamentos de mobilidade individual elétricos nos centros urbanos, usando redes neurais artificiais e algoritmos genéticos. Processo: 2019/09026-9. Programas de Inovação Tecnológica/ IPE, Fase 1 – 2º Ciclo/2019, vigência: 2019-2020, em desenvolvimento;
  • Pesquisador FAPESP/Sutservices no desenvolvimento de uma metodologia de classificação de potenciais compradores de seguros em redes de varejistas físicos e online, usando redes neurais artificiais e estatística de varredura espacial bayesiana. Processo: 2018/15321-0. Programa de Inovação Tecnológica/PIPE, fase 1 – 3º Ciclo/2018, vigência: 2019-2020;
  • Pesquisador ANEEL/EMAE/Universidade Presbiteriana Mackenzie no projeto de análise preditiva baseada em inteligência artificial para sistemas supervisórios de usinas hidrelétrica. Processo: 00393-0008/2017, vigência: 2017-2019;
  • Professor da disciplina de Gestão Estratégica de Negócios e BI (Data-driven Bussines) do curso de pós-graduação em Marketing Digital da Universidade Presbiteriana Mackenzie (atual);
  • Professor da disciplina Governança Corporativa do curso de pós-graduação Compliance Digital, EaD e presencial, da Universidade Presbiteriana Mackenzie (atual);
  • Professor da disciplina de Governança de Segurança Cibernética do curso de pós-graduação em Inteligência e Segurança Cibernética da Universidade Presbiteriana Mackenzie (atual);
  • Professor do curso online sobre Cidades Inteligentes no Fórum Cidades Inteligentes (www.forumcidadesinteligentes.info) (atual);
  • Professor da disciplina Negócios Sustentáveis do MBA em Gestão Estratégica de Negócios da FIAP (2012-2019);
  • Vice-presidente de Inovação da SUCESU-SP (2012-2016);
  • Professor da disciplina de Processos de Inovação do pós-MBA em Inovação da HSM Educação, orientado por Vijay Govindarajan (2011-2014);
  • Fundador da nMentors, empresa especializada em cursos à distância (2008-atual)
  • Diretor de tecnologia da informação (CIO) da holding de energia AES Brasil (2005-2008), incluindo AES Eletropaulo (energia, + 6 milhões-consumidores, são Paulo), AES Sul (energia, + 1,2 milhões-consumidores, Rio Grande do Sul), AES Tietê (energia, 2,6 gigawatts), Eletropaulo Telecom (telecomunicações, São Paulo) e AES.com (telecomunicações, Rio de Janeiro);
  • Gerente de infraestrutura de TI e desenvolvimento de sistemas da Ford South America (1996-2005);
  • Gerente de telecomunicações e data center da Autolatina, uma joint venture entre a Ford e a Volkswagen na Argentina e no Brasil. (1990-1995).

Contato