A grande responsabilidade da média gerência na transformação das empresas

Nas empresas tradicionais convivem pelo menos três gerações de profissionais. Os gerentes seniores, a média gerência e os funcionais. A alta gerência, diretores e gerentes seniores, representam certa de 20% nas organizações, onde 8% são presidentes e diretores, são profissionais mais experientes nascidos entre as décadas de 60, 70 e início dos anos 80. A média gerência, coordenadores e chefias, representam aproximadamente 16% nas organizações, são profissionais nascidos a partir dos anos 80 que se destacaram por suas habilidades de gestão. Os funcionais representam aproximadamente 64% nas organizações, são profissionais de várias faixas etárias que por opção ou perfil se mantiveram em funções operacionais. Esses dados foram compilados de algumas pesquisas de relatórios de RH.

A alta gerência é comprometida e alinhada com a cultura organizacional e define os padrões de conduta da empresa. Relacionam-se com a média gerência compartilhando as estratégias e aprovando projetos em linha com os objetivos empresariais. Dependem da média gerência para concretizar suas visões e estratégias.

Na alta gerência ainda predomina profissionais masculinos, cerca de 80%, onde 70% são brancos e 30% negros e de outras raças. No contexto geral, em 2013, 74% dos brancos tinham rendimentos superiores aos negros e pardos. Felizmente, na média gerência e funcionais a distribuição entre mulheres e homens é mais homogênea.

A média gerência traduz em ações e resultados as estratégias empresariais através da distribuição de tarefas e instruções de trabalho (processos) para os profissionais de cargos funcionais. Eles são a interface entre a alta gerência e os funcionais, assumindo um papel fundamental na transformação das organizações.

É a média gerência que sente mais de perto os conflitos de gerações, tento que entender e harmonizar as expectativas dos profissionais mais experientes e mais jovens.

De um lado, devem atender ao conservadorismo e estrutura hierárquica exigida pela alta gerência e o ímpeto e irreverência dos mais jovens, característica das novas gerações.

A média gerência recebe coaching e é avaliada pela alta gerência e avalia seus subordinados funcionais. São cobrados por inovação e desempenho, porém dentro de parâmetros aceitos como verdadeiros pela alta gerência. Entretanto, precisam inspirar e conseguir engajamento de seus subordinados que possuem outras referências sobre trabalho e expectativas de qualidade de vida.

Diante desse cenário, a influência e desempenho das organizações dependem da atuação e habilidade da média gerência em fazer a gestão de conflitos dentro da organização. Ou seja, terão sucesso as empresas que melhor administrar os profissionais de média gerência.

Sua empresa faz isso?

Deixe uma resposta