A nova era dos Smart Data Centers para IoT, Big Data e Fast Data

foto-datacenterroadshow-v3

Não existem dúvidas que as tecnologias de Big Data, Fast Data e Internet of Things (IoT) serão chaves para as estratégias das empresas para manterem a competitividade. Nos próximos anos os investimentos se concentrarão em conectar bilhões de “coisas” para capturar dados para analises em tempo real. A consultoria IDC, prevê que entre 2014 e 2019 os Data Center deverão aumentar sua capacidade em 750% para suportar essas novas tecnologias. A questão estratégica será compartilhar a infraestrutura dos atuais data centers, orientados a aplicações comerciais, ou montar novos data centers para as aplicações de IoT, Big Data e Fast Data. A resposta está no quanto a empresa apostará nas novas tecnologias. Para cada empresa existirá um ponto de ruptura que a obrigará (ênfase para o verso) a adotar um novo conceito de processamento, os Smart Data Centers.

Engana-se que pensa que esses Data Centers são similares aos tradicionais que executam ERPs e sistemas legados. Eles se aproximam mais das empresas de comércio eletrônico que, provavelmente, serão os maiores consumidores dessas novas tecnologias. Paradas para manutenções nem pensar.

Quando pensar em Smart Data Centers não pense em caixinhas e nem em provedores únicos de Cloud Computing. Pense que a “nuvem” é seu Data Centers. Você deverá alocar recursos em diferentes Data Centers físicos interconectados entre si por canais de alta velocidade, preferencialmente, por fibras escuras. Isso irá garantir que alguns clusters poderão estar em diferentes locais, sem comprometer, significativamente, o desempenho das analises.

Os Smart Data Centers permitem a coleta de dados das “coisas” de forma descentralizada, aumentando a disponibilidade do sistema como um todo e alguns processamentos locais.

Minha visão é que as empresas terão uma sala de comando para orquestrar os diversos Data Centers, alocando recursos de forma dinâmica a medida da necessidade. Esses Data Centers deverão ser imunes a limitação de orçamento. Afinal, quem entra na chuva é para se molhar. Mas, com certeza os investimentos serão recompensados se o modelo de negócio for bem planejado e monitorado.

Deixe uma resposta