Apple Watch, um novo desafio para a indústria suíça?

foto-apple-smartwatches-v81

Na década de 70 quando surgiram os relógios a quartzo imaginou-se que a indústria suíça de relógios estava morta. Eles deram a volta por cima e focaram em sofisticados relógios mecânicos e na metade dos anos 90, com a explosão do mercado de luxo, passaram a dominar esse segmento. Apesar de a China ser a maior produtora mundial de relógios, 99% são de relógios baratos. A indústria suíça fabricou, em 2012, 29,3 milhões de unidades por ano, contra 678,5 milhões da China, porém o valor de mercado suíço é de US$22,9 bilhões e o chinês é de US$5,1 bilhões. A indústria mundial de relógios produz 1,2 bilhões de unidades por ano. A Suíça exporta 95% de sua produção. A Compagnie Financiere Richemont SA, dona das marcas Cartier, Lancel, Van Cleef, Chloe, Baume & Mercier, IWC, Jaeger-LeCoultre e Montblanc, é a maior empresa de relógios suíça com uma receita de US$13 bilhões e com a maior participação mundial no mercado de luxo, com um faturamento de US$12,3 bilhões nesse segmento. Os suíços continuam apostando no mercado de luxo, pois acreditam que o relógio, única joia universalmente aceita para homens, leva vantagem sobre carros luxuosos e obras de artes de alto valor porque podem ser mostrados o tempo todo.

A Apple planeja vender cerca de 20 milhões de smartwatches esse ano. No período do lançamento foram distribuídos 3,1 milhões de unidades (1,8 milhões de alumínio, 1,3 milhões de aço e 40 mil de ouro). Os preços começam em US$349 para o modelo esportivo até US$17.000 para o modelo em ouro. A expectativa é de uma receita de US$2 bilhões no lançamento.

Se compararmos o segmento de luxo de relógios, a Apple destinou 1,3% de relógios (40 mil) com acabamento em ouro, Watch Edition, contra a atual produção da indústria suíça de 29,3 milhões de unidades. Ou seja, o Apple Watch terá pouca influência no mercado de luxo nesse primeiro momento.

Por outro lado, o mercado de relógios de baixo custo está se movendo para smartwatches. É esse segmento que deve sofrer uma forte transformação. A quantidade de modelos de smartwatches baseados em Android deve crescer significativamente a partir da mudança de hábitos dos consumidores. A indústria chinesa deve substituir parte de sua produção de relógios a quartzo por smartwatches. Isso deve abrir tremendas oportunidades para novos aplicativos móveis e novos serviços. Outro segmento que deve crescer serão as pulseiras personalizadas para smartwatches, assim como as capinhas para smartphones.

Leitura recomendada:
The Deloitte Swiss Watch Industry Study 2014
Credit Suisse – Swiss Watch Industry 2013

Deixe uma resposta