Pular para o conteúdo

Projetos tecnológicos para startups

Contexto

Uma boa ideia para se tornar efetiva e que agregue valor deve ser desenvolvida e implementada de forma eficaz, com processos e tecnologias apropriadas. Muitos empreendedores focam no desenvolvimento de suas ideais no seu campo de atividade e precisam de apoio para agregar tecnologia e processos de gestão na solução. Estabelecer parcerias com especialistas em tecnologia e em processos de gestão aceleram o lançamento dos projetos e reduzem os riscos de implementação.

Estamos na era dos produtos inteligentes com conexão com a Internet e usando dados para aumentar a experiência dos clientes. Neste contexto, é fundamental projetar qualquer produto ou serviço apoiado por uma plataforma digital e algoritmos que automatizem processos e interajam com os clientes. Isto requer o uso de tecnologias com IoT (Internet of Things), Big Data e inteligência artificial. Estas tecnologias estão hoje disponíveis nos marketplaces dos provedores de computação em nuvem (Cloud Computing) e com fácil implementação por códigos escritos em linguagens de computação, como Python e C#.

Uma prática muito utilizada pelos empreendedores é a contratação de programadores freelancers para o desenvolvimento de software para atender os requisitos de seus modelos de negócios. O primeiro desafio é encontrar um desenvolvedor com disponibilidade de agenda para desenvolver o software. O segundo desafio é traduzir sua ideia em um documento com informações estruturadas para o desenvolver construir o software dentro das expectativas do negócio, que muitas vezes leva a frustações e desgastes no relacionamento entre o empreendedor e o desenvolvedor. Não raras as vezes, onde os projetos de software recomeçam do zero. O terceiro desafio é a manutenção do software, tanto para corrigir problemas como para agregar novas funcionalidades.

Os empreendedores devem entender que agregar inteligência para os seus produtos é estratégico e, como tal, devem estabelecer parcerias com especialistas em software para desenvolver em conjunto suas soluções, de preferência, desde o estágio inicial do projeto.

O uso de inteligência artificial, com modelos de aprendizagem de máquina e análises preditivas de eventos, potencializam produtos e serviços, aumentando as chances de sucesso das startups.

Para o uso efetivo de inteligência artificial deve-se desenvolver os produtos com funcionalidades para produzir dados, dos mais variados tipos, para armazenamento em grandes bancos de dados – Big Data. Com séries históricas de dados é possível treinar máquinas para classificar “coisas” e fazer classificação e análises preditivas de eventos, fundamentais para conhecer e prever o comportamento dos clientes, estimar demandas de produtos, fazer prevenção de fraudes, prever situações de falhas em equipamentos, entre outras análises.

Resumindo, busque um parceiro tecnológico para desenvolver sua startup, independente, do seu ramo de negócios.

Serviço

Treinamento, mentoria e desenvolvimento de projetos tecnológicos para startups.

Currículo de Eduardo Fagundes

  • Graduação em Engenheiro Elétrica (PUC-RS);
  • Especialização em Telecomunicações (FAAP);
  • Mestrado em Ciência da Computação/Engenharia Elétrica (Mackenzie)
  • Extensão universitária em Leadership & Business pela Darden School of Business da Universidade da Virginia (US);
  • Autor do livro “Como ingressar nos negócios digitais”, patrocinado pelo SEBRAE Nacional;
  • Autor do e-book “Orçamento e custeio para serviços de tecnologia da Informação”, Amazon Kindle;
  • Coordenador acadêmico do curso online sobre Eficiência Energética (64 horas) patrocinado pela ENEL Distribuidora São Paulo (2020);
  • Pesquisador FAPESP/Infra Solar no projeto para otimização de recarga de baterias com energia limpa e logística de posicionamento usando aprendizado de máquina e modelos preditivos para equipamentos de mobilidade individual elétricos nos centros urbanos, usando redes neurais artificiais e algoritmos genéticos. Processo: 2019/09026-9. Programas de Inovação Tecnológica/ IPE, Fase 1 – 2º Ciclo/2019, vigência: 2019-2020, em desenvolvimento;
  • Pesquisador FAPESP/Sutservices no desenvolvimento de uma metodologia de classificação de potenciais compradores de seguros em redes de varejistas físicos e online, usando redes neurais artificiais e estatística de varredura espacial bayesiana. Processo: 2018/15321-0. Programa de Inovação Tecnológica/PIPE, fase 1 – 3º Ciclo/2018, vigência: 2019-2020;
  • Pesquisador ANEEL/EMAE/Universidade Presbiteriana Mackenzie no projeto de análise preditiva baseada em inteligência artificial para sistemas supervisórios de usinas hidrelétrica. Processo: 00393-0008/2017, vigência: 2017-2019;
  • Professor da disciplina de Gestão Estratégica de Negócios e BI (Data-driven Bussines) do curso de pós-graduação em Marketing Digital da Universidade Presbiteriana Mackenzie (atual);
  • Professor da disciplina Governança Corporativa do curso de pós-graduação Compliance Digital, EaD e presencial, da Universidade Presbiteriana Mackenzie (atual);
  • Professor da disciplina de Governança de Segurança Cibernética do curso de pós-graduação em Inteligência e Segurança Cibernética da Universidade Presbiteriana Mackenzie (atual);
  • Professor do curso online sobre Cidades Inteligentes no Fórum Cidades Inteligentes (www.forumcidadesinteligentes.info) (atual);
  • Professor da disciplina Negócios Sustentáveis do MBA em Gestão Estratégica de Negócios da FIAP (2012-2019);
  • Vice-presidente de Inovação da SUCESU-SP (2012-2016);
  • Professor da disciplina de Processos de Inovação do pós-MBA em Inovação da HSM Educação, orientado por Vijay Govindarajan (2011-2014);
  • Fundador da nMentors, empresa especializada em cursos à distância (2008-atual)
  • Diretor de tecnologia da informação (CIO) da holding de energia AES Brasil (2005-2008), incluindo AES Eletropaulo (energia, + 6 milhões-consumidores, são Paulo), AES Sul (energia, + 1,2 milhões-consumidores, Rio Grande do Sul), AES Tietê (energia, 2,6 gigawatts), Eletropaulo Telecom (telecomunicações, São Paulo) e AES.com (telecomunicações, Rio de Janeiro);
  • Gerente de infraestrutura de TI e desenvolvimento de sistemas da Ford South America (1996-2005);
  • Gerente de telecomunicações e data center da Autolatina, uma joint venture entre a Ford e a Volkswagen na Argentina e no Brasil. (1990-1995).

Contato