O modelo de infraestrutura de TI da Netflix deve ser seguido pelas empresas

A Netflix é um exemplo de negócio disruptivo. Sua estratégia é fazer crescer o negócio de video streaming global, melhorando continuamente a experiência com os clientes com foco na expansão de conteúdo, melhorando a interface com os clientes e estendendo os serviços para todos os dispositivos conectados na Internet, dentro de metas de lucratividade.

Em fevereiro de 2016, a Netflix anunciou que completou seu projeto de transferir toda sua infraestrutura de data centers para a AWS (Amazon Web Services). Isso mostra que hoje os data centers são serviços de consumo confiáveis para apoiar grandes negócios.

Outro exemplo dos novos tempos é o uso intensivo de softwares open source pela Netflix. Eles utilizam o zoológico tecnológico do Hadoop e ferramentas analíticas disponíveis em open source. Ok, eles ainda usam o Teradata para algumas aplicações (afinal, eles podem com o faturamento que tem).

Acredito que a Netflix hoje é um modelo de infraestrutura de TI para as empresas. Usam o modelo Cloud Computing em um provedor de serviços de data centers, apoiam seus principais serviços em software open source e focam na sua estratégia de negócios.

A buzzword do momento é “business transformation”, nova roupagem para o e-Business (esses caras de marketing são bons). Uma verdadeira transformação de negócios usa intensamente novos paradigmas digitais. Os novos negócios exigem escalabilidade para serem lucrativos. Com o crescimento exponencial do uso de smartphones e dispositivos IoT (Internet of Things), abrem-se gigantescas oportunidades de novos produtos inteligentes que interagem com os clientes.

Migrar para Cloud Computing elimina várias preocupações de capacidade computacional e segurança das empresas. Negócios escaláveis não podem ficar esperando aprovação e um longo processo de compras de servidores ou sistemas de armazenamento. Também, não para a empresa comprar uma capacidade imensa e deixar ociosa, isso quebraria a empresa. Os ataques cibernéticos estão cada vez mais sofisticados e profissionais. Hoje é possível contratar hackers para acabar com a reputação de um concorrente. Imaginar que uma pequena equipe de segurança na área de TI irá resolver o problema é pedir para ser enganado. Por mais competentes que sejam, não dá para ficar 24 horas ligado em tudo que acontece no underground da Internet.

Agora, se sua empresa continuar pagando licenças de uso de softwares proprietários é melhor fechar a empresa agora para não perder dinheiro. Esse é uma boa dica para investidores, analisem a infraestrutura e os planos de TI das empresas que vocês têm ações e que pretendem investir. Se a empresa continuar no antigo paradigma de infraestrutura caiam fora.

A exceção fica para os ERPs que apoiam os processos operacionais e legais, mas que podem substituir o banco de dados por um software open source. Dica: use o ERP na sua versão standard, nada de achar que sua empresa é diferente das outras em processos operacionais. Seu diferencial está em softwares de relacionamento com os clientes.

Acho que podemos criar uma nova buzzword, Netflix IT infrastructure model.

Nota: o único data center que restou na Netflix foi o do negócio de DVD. Afinal, não vale a pena investir em um negócio que vai acabar.

Deixe uma resposta