Indicadores de sustentabilidade e eficiência energética para data centers

Cada vez mais as empresas líderes estão aderindo, voluntariamente, a compromissos de responsabilidade social e preservação do meio ambiente. Essa iniciativa, obrigatoriamente, deve envolver suas cadeias de fornecedores, pois são responsáveis pelas matérias primas e componentes que integram de seus produtos e serviços. A demanda por energia e água para os data centers é significativa e deve ser tratada com atenção, tanto para a infraestrutura interna como nas contratações de serviços externos.

Segundo estudos do Greenpeace, os data centers e os equipamentos de computação em geral consumem 1,5% da energia global e emitem cerca de 2% dos gases do efeito estufa (CO2 e outros gases). Portanto, geram um significativo impacto nas mudanças climáticas. Em muitos países ainda se utiliza o carvão como principal combustível para geração de energia, gerando toneladas de gases e resíduos poluentes.

No Brasil, a matriz energética é baseada em geração hídrica (63,09%), térmica (28,35%), eólica (3,29%%) e outras fontes renováveis. Em decorrência da grande estiagem de 2014 que reduziu o volume de água dos lagos de reserva das hidrelétricas a geração de energia das termelétricas vem aumentando. Consequentemente, aumentando a emissão de gases de efeito estufa.

Empresas que operam no Brasil e usam serviços de processamento de dados no exterior devem computar a emissão de gases do efeito estufa em sua conta de poluição ambiental. No Brasil, as empresas que utilizam energia das concessionárias de distribuição, chamados consumidores cativos, devem considerar o aumento do uso das termelétricas na sua conta de poluição. O impacto disso é a necessidade de aumentar as iniciativas para neutralização do carbono, resultando em mais investimentos e despesas.

Nesse contexto, é fundamental uso de indicadores para medir e avaliar o desempenho e impactos ambientais dos data centers. Segue uma recomendação de indicadores para os data centers internos e para serem incluídos nas RFPs (Request for Proposal) para a contratação de serviços de data centers:

  • PUEPower Usage Effectiveness (eficiência energética). O indicador PUE é uma medida da energia total do data center dividido pelo consumo de energia dos equipamentos de TI. A recomendação é medir a energia consumida pelos equipamentos de TI na saída da unidade de distribuição de energia (PDU) ou na saída da fonte de alimentação ininterrupta (UPS). A medição da energia total do data center deve ser no ponto de distribuição central para incluir refrigeração, iluminação e infraestrutura de apoio, além das cargas dos equipamentos de TI;
  • GECGreen Energy Coefficient (coeficiente de energia verde). O indicador GEC quantifica a parcela de energia de um data center que vem de fontes verdes. O GEC é computado como a energia verde consumida (medido em quilowatt-hora ou kWh) dividida pelo total de energia consumida pelo data center (kWh). Para efeitos do GEC, “energia verde” é definida como qualquer forma de energia renovável certificada por uma autoridade oficial;
  • ERFEnergy Reuse Factor (fator de reutilização de energia). O indicador ERF identifica a parcela de energia que é exportada para a reutilização para fora do data center. O ERF é calculado como a energia reutilizada dividido pela energia total consumida pelo data center;
  • CUECarbon Usage Effectiveness (Uso eficaz do Carbono). O indicador CUE permite a avaliação das emissões de gases do efeito estufa totais de um data center em relação ao seu consumo de energia de TI. O CUE é calculado como o total de emissões equivalentes de dióxido de carbono (CO2eq) do consumo de energia do data center dividido pelo total de consumo de energia dos equipamentos de TI;

O ideal é que o monitoramento desses indicadores seja feito de forma automática através de um software DCIM (Data Center Infrastructure Management), que possibilita a integração dos dados da infraestrutura predial e computacional.

As pressões dos clientes e a legislação ambiental, mais cedo ou mais tarde, obrigará as empresas a adotarem mecanismos de medição e ações para a redução do consumo de energia e redução dos gases de efeito estufa. Melhor começar de forma voluntaria para obter uma curva de aprendizado e de investimentos sem pressão de tempo.

Deixe uma resposta