Modelo de Custeio ABC para Cloud Computing

Em mercados altamente competitivos o custo é a chave do sucesso. Bom, dizer isso é chover no molhado. A grande questão é como controlar e analisar o impacto da infraestrutura e dos serviços diretos e indiretos no custo dos produtos. Métodos tradicionais de contabilidade de custos na alocação de custos indiretos com base no volume não atendem mais os novos cenários de negócios. Esses métodos geram imprecisão na alocação, tendem a ser superestimados para grandes volumes e subestimados para pequenos volumes. Para tornar os cálculos de alocação de custos mais precisos recomenda-se o uso do método de custeio ABC (Activity based Costing) que faz o tratamento dos custos indiretos, através da análise das atividades, dos seus geradores de custos, e dos utilizadores. Enquadra-se nesse contexto os custos dos serviços de computação em nuvem – Cloud Computing.

Para começar temos que analisar os custos de TI na empresa sob a ótica do custeio ABC. Pegar o volume de produtos produzidos e dividir pelas despesas de TI na organização, apenas oferece um valor referencial e não pode ser utilizado para custeio. Para gerenciar melhor a lucratividade dos produtos é necessário identificar e analisar a alocação dos custos de TI baseado nas atividades que são executadas.

A ideia básica é definir o custo das atividades e, posteriormente, usar os custos das atividades nos produtos de forma ponderada. Com isso, encontramos os custos das pessoas, tecnologias, materiais, práticas de gestão e infraestrutura em cada atividade.

Existem cinco etapas para a análise do custeio ABC:

  1. Definir objetos de custo, atividades indiretas e recursos utilizados nas atividades indiretas;
  2. Definir os custos por atividade indireta;
  3. Identificar os geradores de custos dos recursos;
  4. Calcular o custo total indireto por produto para cada tipo de objeto de custo;
  5. Dividir os custos totais por quantidade para custo indireto por objeto de custo individual.

Definimos como objeto de custo os produtos, clientes, serviços ou qualquer outra coisa que possa ser contabilizada.

Uma organização de TI trabalha com múltiplos objetos de custos, tais como serviço de suporte ao cliente final, ponto de processamento individual (desktop e notebook), impressoras departamentais, telefone, acesso remoto, sistemas de aplicação, data center, etc.

Para cada um dos objetos existem várias atividades associadas para prestar o serviço ao cliente final, tais como central de atendimento, centro de monitoração de rede, operação dos computadores, desenvolvimento de sistemas, manutenção de sistemas, segurança lógica dos dados, etc. (Veja o meu artigo Modelo de Custeio ABC para TI).

Conhecendo os objetos de custos e suas atividades fica mais fácil comparar com os serviços de Cloud Computing.

O conceito amplo de custo Cloud Computing é ter custo por demanda. Entretanto, existem atividades nesse objeto de custo que não variam de acordo com a demanda. Por exemplo, o custo de setup de uma máquina virtual é fixo. O que irá variar é a quantidade de setups necessários ao longo de um período, considerando previsões de aumento da quantidade de transações eletrônicas em datas de grande consumo (Dia da Mães, Dia da Crianças, Natal, etc.).

Acredito que a resistência a adoção de Cloud Computing não resiste a comprovação da sua eficiência na redução de custos dos produtos da empresa. O desafio é demonstrar de forma clara e objetiva os custos de TI nos produtos e uma análise consistente dos impactos das novas tecnologias.

Deixe uma resposta