As empresas conseguem reter pessoas capazes de executar transformações disruptivas?

Por sorte, tenho contato com centenas de jovens todos os anos, trabalhando como professor de cursos de pós-graduação em tecnologia e em um programa de MBA além de milhares de estudantes online como produtor e tutor de cursos a distância. Isto me permite acompanhar as expectativas e desafios de jovens qualificados, que trabalham em empresas de todos os portes e setores, além de muitos empreendedores. Nos estudos de casos que aplico é nítida a diferença entre alunos que trabalham em organizações já estruturadas e de quem tem ou aspira ter seu próprio negócio, a partir das soluções propostas para os desafios apresentados. Embora não seja unânime, os empregados em corporações têm pensamentos mais lineares e estruturados e os empreendedores menos estruturados. A maioria estuda para dar saltos na carreira, buscando melhores cargos e salários, ou para desenvolver o seu próprio negócio (o MBA da FIAP tem foco no empreendedorismo). Isto coloca um desafio para as grandes e estruturadas empresas que seguem rígidos modelos de governança corporativa: como reter os talentos que possam fazer as transformações disruptivas que o mercado exige? Uma das solução é criar startups para produzir produtos e serviços que serão adotados pela empresa no futuro.
Continue lendo “As empresas conseguem reter pessoas capazes de executar transformações disruptivas?”

As empresas conseguem reter pessoas capazes de executar transformações disruptivas?

Por sorte, tenho contato com centenas de jovens todos os anos, trabalhando como professor de cursos de pós-graduação em tecnologia e em um programa de MBA além de milhares de estudantes online como produtor e tutor de cursos a distância. Isto me permite acompanhar as expectativas e desafios de jovens qualificados, que trabalham em empresas de todos os portes e setores, além de muitos empreendedores. Nos estudos de casos que aplico é nítida a diferença entre alunos que trabalham em organizações já estruturadas e de quem tem ou aspira ter seu próprio negócio, a partir das soluções propostas para os desafios apresentados. Embora não seja unânime, os empregados em corporações têm pensamentos mais lineares e estruturados e os empreendedores menos estruturados. A maioria estuda para dar saltos na carreira, buscando melhores cargos e salários, ou para desenvolver o seu próprio negócio (o MBA da FIAP tem foco no empreendedorismo). Isto coloca um desafio para as grandes e estruturadas empresas que seguem rígidos modelos de governança corporativa: como reter os talentos que possam fazer as transformações disruptivas que o mercado exige? Uma das solução é criar startups para produzir produtos e serviços que serão adotados pela empresa no futuro. Continue lendo “As empresas conseguem reter pessoas capazes de executar transformações disruptivas?”

Novos modelos de negócios para enfrentar a estagnação econômica global

Minha opinião é que a “crise econômica” que o Brasil atravessa não é apenas o resultado de gestões governamentais desastradas e o elevado nível de corrupção, mas uma consequência do ajuste global da economia. As maiores economias globais atuais estão desacelerando e mantendo estagnados os salários e com previsão de redução na participação do PIB global. Os países da Ásia devem assumir o protagonismo mundial. A alternativa para os atuais países ricos é avançar na automação para competir com os baixos preços dos asiáticos, com salários de US$100 por mês. Índia, Paquistão e Bangladesh tem salários 75% mais baixos que os chineses e devem colocar entre 1 milhão e 1,5 milhão de trabalhadores por mês até 2020. Para competir, fora as commodities agrícolas e minerais, é necessário o desenvolvimento de novos modelos de negócios, baseados em automação extrema e inteligência artificial. Continue lendo “Novos modelos de negócios para enfrentar a estagnação econômica global”