Cenário Prospectivo de uma cidade de São Paulo melhor em 2040

Hoje participei do Seminário Internacional SP 2040 que teve o objetivo de compartilhar os trabalhos preliminares sobre o cenário proposto para a cidade de São Paulo em 2040. Essa iniciativa pretende definir a estratégia e as iniciativas para os próximos 30 anos para tornar a cidade de São Paulo um lugar melhor para se viver. O título do projeto é SP 2040 a Cidade que queremos.

O seminário contou com personalidades importantes, como o Prefeito de São Paulo Gilberto Kassab e o vice-governador de São Paulo Afif Domingos. A iniciativa do projeto é do Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano, Miguel Luiz Bucalem. O projeto é liderado pela Universidade de São Paulo representada pelo Prof. James Wright, que apesar do nome é paulistano. O projeto conta com especialistas internacionais que desenvolvem projetos similares em outras metrópoles. Participaram no seminário: Michael Enright, consultor dos planos estratégicos de Hong Kong e Shanghai; Alfonso Vegara, presidente da Fundación Metrópoli de Madrid; Robert Yaro, presidente da Regional Plan Association of New York e Greg Clark, consultor em estratégicas de cidades do Banco Mundial.

Preliminarmente, foram consultados 250 especialistas para definir as principais características do cenário da cidade em 2040. Entre as características citadas estão: desenvolver a cidade para ser empreendedora; ter pessoas capacitadas para atuar nos negócios; ter habitação digna próxima do trabalho; ter mobilidade para chegar ao trabalho em até 30 minutos; ter parques próximos as casas com acesso em até 15 minutos caminhando; a cidade deve lazer e cultura de qualidade; entre outros. A população da cidade de São Paulo será de aproximadamente 12,5 milhões em 2040.

Esse seminário abre a consulta pública sobre as características listadas pelos especialistas para que os cidadãos possam contribuir com o cenário da cidade em 2040. A interação com a população pode ser realizada através do site www.sp2040.net.br.

As apresentações dos especialistas internacionais reforçaram a necessidade do planejamento de longo prazo e os benefícios que traz para a comunidade.

O método Delphi foi adotado para capturar as impressões dos especialistas através de sua versão na web, WebDelphi. Esse método procura a efetiva utilização do julgamento intuitivo, com base nas opiniões de especialistas, que são refinadas em um processo interativo e repetitivo algumas vezes até se alcançar o consenso interdisciplinar e correspondente à redução da opinião individual, idiossincrasias e respostas não qualificadas. A primeira rodada é não-estruturada, onde os especialistas tem relativa liberdade para elaborar as questões relevantes do tema discutido. O questionário é consolidado pelo facilitador, de modo a associar escalas qualitativas ou quantitativas às questões, e então submetê-lo a uma sequência de rodadas.

A cada rodada, os facilitadores contabilizam as respostas, apresentam os resultados parciais, sob o formato de descritores estatísticos simples: média, mediana, variância ou desvio padrão. Depois é solicitado a cada especialista que reveja sua opinião com base no relatório estatístico.  Esse ciclo se completa quando o processo se torna estável.

As opiniões discordantes apresentadas por alguns dos participantes também são relevantes, pois podem trazer informações importantes.

Essa iniciativa da prefeitura de São Paulo reforça a necessidade de planejamento de longo prazo e evidencia a importância das ferramentas de desenvolvimento de cenários prospectivos.

Deixe uma resposta