Como a Inteligência Artificial pode ajudar na mobilidade humana

Pense o que você consegue fazer em duas horas. Extrapole para 10 horas por semana e 40 horas por mês. Caramba! O paulistano gasta, em média, o equivalente a uma semana de trabalho por mês em deslocamentos pela cidade. O pior é que estes deslocamentos, na sua maioria usando transporte público e carros, poluem a cidade com emissões de gases de efeito estufa e causam stress nas pessoas, reduzindo sua produtividade e, por consequência, a competitividade das empresas e aproveitamento nos estudos. O uso de inteligência artificial pode ajudar na melhoria da mobilidade das pessoas (mobilidade humana), otimizando o uso dos modais de transporte em tempo real, melhorando o uso do espaço público e recomendando o melhor local para a execução de determinadas atividades, de forma individual. Para isto acontecer, temos que transpor a barreira do compartilhamento e coleta de dados.

O uso de inteligência artificial na otimização do trânsito é uma realidade e muito de nós já utiliza através de aplicativos móveis, como o Waze e Google Maps. A atualização das condições do trânsito em tempo real pelos usuários, de forma voluntária, permite que os sistemas de inteligência artificial possam recomendar, dinamicamente, as melhores rotas para os usuários. Os motoristas de carros e transporte de cargas são os que mais se beneficiam dos serviços, ironicamente, os que mais ocupam o espaço físico das cidades com um baixíssimo aproveitamento, pois muitos viajam sozinhos.

Felizmente, as pessoas estão adotando novos modais de transporte individuais e elétricos, como patinetes elétricos e bicicletas. Mais ágeis e não poluidores permite que seus usuários percorram distância pequenas e médias em menos tempo nas cidades. Além de melhorar a mobilidade de seus usuários e a saúde para quem opta por bicicleta e andar a pé, libera espaço no transporte público, oferecendo mais conforto para quem viaja, e menos congestionamento de carros nas ruas.

A adoção do home office por muitas empresas ajuda a otimizar a mobilidade humana, permitindo que os funcionários executem tarefas em casa, com muito mais tranquilidade, concentração e qualidade. O uso de softwares de vídeo conferência (Skype, Appear.in, Google Hangout etc.) evitam deslocamentos e tornam as reuniões mais rápidas e efetivas. O trabalho colaborativo dos softwares de edição de texto, planilhas eletrônicas e outros documentos reduzem o tempo de elaboração de relatórios e análises de dados.

Os recursos atuais de trabalho colaborativo reduzem, consideravelmente, a necessidade de deslocamento das pessoas. Se trabalharem em casa ou em escritórios compartilhados próximo de suas casas, o tempo de deslocamento caíra significativamente, aumentando a produtividade geral.

Com dados disponíveis e atualizados em tempo real sistemas de inteligência artificial podem sugerir: melhores rotas de deslocamento; uso de modais de transporte ou a melhor combinação entre eles para se conseguir o menor tempo de percurso; o melhor local para executar uma determinada tarefa; melhores horários para iniciar uma viagem; entre outras vantagens.

Com a análise de dados as empresas de transporte público e de compartilhamento de veículos e de equipamentos de transporte individuais poderão planejar e reagir em tempo real a quantidade e localização de seus veículos para melhor atender os usuários.

Os gestores públicos, concentrando todos os dados históricos e em tempo real, podem redesenhar o sistema viário das cidades, introduzindo mudanças como: alterar a velocidade limite das vias públicas; eliminar o estacionamento de carros no meio fio de certas vias públicas; criar novas faixas exclusivas para modais individuais (bicicletas, patinetes, skates, etc.); priorizar a manutenção de calçadas de grande movimento de pedestres; estabelecer novas regras de trânsito; priorizar a educação de trânsito em itens de maior relevância; entre outras.

Vários métodos de inteligência artificial podem ser utilizados para entender e melhora a mobilidade humana, incluindo as Redes Neurais Artificiais (ANN), Algoritmos Genéticos (GA), Recozimento Simulado (SA), Sistema Imunológico Artificial (AIS), Otimizador de Colônia de Formiga (ACO) e Otimização de Colônia de Abelha (BCO) e Modelo Lógico Fuzzy (FLM).

A aplicação bem-sucedida da inteligência artificial ​​requer um bom entendimento das relações entre os modelos matemáticos e os dados de um lado, e as características e variáveis ​​do sistema de transporte, por outro lado. 

O uso de forma eficiente da inteligência artificial resolve os problemas de transporte, principalmente no gerenciamento de tráfego, segurança no trânsito, transporte público e mobilidade urbana, resultando na melhoria da mobilidade humana.

As técnicas de inteligência artificial estão, praticamente, dominadas e aptas a resolver a maioria dos problemas de mobilidade nas cidades. O grande desafio é a obtenção dos dados, tanto dos órgãos do governo como das empresas privadas que operam os diversos modais nas cidades.

Atualmente, os dados de geoposicionamento em tempo real de ônibus municipais de algumas cidades e de ônibus intermunicipais estão disponíveis para serem consumidos por aplicativos móveis, dentro do contexto de dados abertos, garantidos pela legislação. Entretanto, os dados dos modais privados, não.

Provavelmente, a competição comercial entre as empresas restringirá o compartilhamento como dado aberto, porém só resolveremos os problemas de mobilidade das cidades se houver colaboração de todos: governos, empresas e usuários.

Deixe uma resposta