Plano Nacional de IoT deve fomentar novas soluções tecnológicas e o empreendedorismo

O Decreto nº 9.854/2019 institui o Plano Nacional de IoT e dispõe sobre a Câmara de Gestão e Acompanhamento do programa. A essência do decreto é o incentivo a soluções usando IoT (Internet of Things, Internet das Coisas), incluindo acesso a mecanismos de apoio à pesquisa cientifica, ao desenvolvimento tecnológico e à inovação, e ao empreendedorismo de base tecnológica. O Plano prevê ações em vários temas, como: ciência, tecnologia e inovação; inserção internacional; educação e capacitação profissional; infraestrutura de conectividade e interoperabilidade; regulação, segurança e privacidade; e, viabilidade econômica. O fortalecimento com o bloco do Mercosul e o acordo de livre comércio com a União Europeia devem trazer impactos positivos para os projetos de inovação desenvolvidos por aqui, assim espero.

A tecnologia de IoT viabiliza várias soluções de monitoração e controle, provendo dados para sistemas de Big Data, Analytics e inteligência artificial.

Com novos hardware e software para pequenos dispositivos, como Raspberry e Arduino, é possível coletar dados de inúmeros sensores e chaves, tais como:

  • sensor de som sensível;
  • detector de obstáculos;
  • detector de chama;
  • sensor de efeito hall linear;
  • sensor de toque;
  • sensor de temperatura digital com termistor;
  • buzzer ativo e passivo;
  • chave magnética digital (reed-switch);
  • chave magnética miniatura (reed-switch);
  • sensor de batida de coração;
  • sensor de choque;
  • sensor de inclinação;
  • sensor de movimento;
  • sensor de umidade e temperatura DHT11;
  • sensor de efeito hall analógico;
  • sensor de efeito hall magnético;
  • sensor de temperatura digital;
  • sensor de impacto;
  • sensor de bloqueio de luz;
  • sensor de vibração;
  • entre outros.

Por exemplo, o Raspberry Pi 4 possui uma configuração de desktop e permite programação aprimorada, usando o sistema operacional Raspbian nativo da plataforma ou o Ubuntu MATE, uma distribuição do Linux.

Especificações do Raspberry Pi 4:

  • SoC: Broadcom BCM2711B0 quad-core A72 (ARMv8-A) 64 bits a 1.5 GHz
  • GPU: Broadcom VideoCore VI
  • Rede: LAN sem fio de 2,4 GHz e 5 GHz 802.11b/g/n/ac
  • RAM: SDRAM LPDDR4 de 1 GB, 2 GB ou 4 GB
  • Bluetooth: Bluetooth 5.0, Bluetooth de baixa energia (BLE)
  • Armazenamento: microSD
  • Portas: 2 × micro-HDMI 2.0, conector de áudio analógico de 3,5 mm, 2 × USB 2.0, 2 × USB 3.0, Ethernet Gigabit, Interface Serial de Câmera (CSI), Interface Serial de Exibição (DSI)
  • Dimensões: 88 mm × 58 mm × 19,5 mm, 46 g

Um kit completo do Raspberry Pi 4 é comercializado fora do Brasil por US$120, incluindo a placa, um mouse, um teclado, um carregador e acessórios, além do sistema operacional Raspbian. Um kit com 37 sensores para Raspberry e Arduino é comercializado por R$90 no Brasil.

Combinando os novos hardwares, softwares, sensores é possível desenvolver sofisticadas aplicações de coleta de dados e uso de sistemas de inteligência artificial locais (sim, isto mesmo podemos executar redes neurais artificias comprimindo as camadas) para tomadas de decisões locais em aplicações de missão crítica.

Com equipamentos de baixo custo e dominando a programação do Raspberry ou Arduino é possível qualquer empreendedor desenvolver uma solução de IoT para monitorar e controlar dispositivos remotos sem nenhum problema.

Já estão disponíveis no Brasil várias redes de dados próprias para a transmissão para pacotes de dados pequenos, como Sigfox, LoRaWAN e a rede de Internet móvel das operadoras de celular. A questão será avaliar a melhor relação custo/benefício para a seleção de uma destas redes e provedores de serviços.

Praticamente, todos os provedores de computação em nuvem (Cloud Computing) já possuem soluções para IoT, definindo os protocolos de rede e implementando a segurança necessária para este ambiente. As soluções incluem a gravação dos dados remotos em Big Data e ferramentas para análise avançada de dados.

Ou seja, a tecnologia está disponível e aberta para novas soluções e projetos de empreendedorismos.

Se já sem os incentivos para o desenvolvimento de soluções a tecnologia de IoT combinada com Big Data e Analytics era interessante, agora com o Plano Nacional de IoT as possiblidades são maiores.

Bora! Se alguém precisar de ajudar entre em contato.

Deixe uma resposta